• YouTube Social  Icon
  • Facebook Social Icon
  • Instagram ícone social

COLABORADORES:

Fotos por: Léo Azevedo, Marcia Souza e O Cajú  

Apoio

Institucional

Apoio

Jurídico

Parceiros:

Fotos Ilustradas: O Filho Do Padeiro

Premiado no SGB LAB 2017

e no Fazedores do Bem +

Active Citzens 2019

CAPACITISMO

Você sabe o que é Capacitismo ?

A Gisele veio explicar.

Capacitismo é o preconceito e a discriminação contra as pessoas com deficiência, em razão da sua deficiência. O capacitismo tem por fundamento o pressuposto comum a todas as formas de opressão, que é a falácia de que alguns seres humanos são naturalmente inferiores a outros, em razão de alguma de suas características. Este mesmo fundamento é o pressuposto do racismo, em razão da cor da pele; do sexismo/machismo, em razão do gênero; da homofobia, em razão da orientação sexual e assim por diante. 

Portanto, todas as formas de opressão possuem o mesmo fundamento, que é a construção social de um modelo de ser humano padrão, que serve de norma. No caso da pessoa com deficiência, sua inferiorização é socialmente construída como a contrapartida de uma ideologia produtivista que estabelece como valor e padrão de ser humano, um indivíduo medianamente apto a lidar com as ferramentas, estratégias e meios de produção massificados. 

Esta ideologia produtivista é que impõe como padrão um ser humano no exercício pleno de todas as “funções” ou “competências” físicas, mentais, intelectuais ou sensoriais possíveis. Mas, quando olhamos cautelosamente para a sociedade, vemos que, historicamente, esse padrão não é real. E por isso constatamos que sim, se trata apenas de uma construção social. E é por essa razão que a deficiência é uma condição social e não uma condição pessoal. É uma condição externa ao sujeito. Quando compreendemos isso, fica evidente que os impedimentos e obstáculos que dificultam o pleno exercício da cidadania por uma pessoa com deficiência são criados pela sociedade e nunca pela condição do indivíduo, ou seja, não são consequências de “limites dados pela deficiência”.

Para não reproduzirmos esse sistema opressor temos que refletir sobre nossas próprias compreensões capacitistas e abandoná-las. É preciso que passemos por um processo de desconstrução e nos conscientizemos de que não existe, como algo que é dado naturalmente, um “formato” de ser humano que sirva como modelo e que funcione como um padrão para avaliar e julgar os demais. O que existe é a diversidade. 

A consciência de que o natural e o normal é a diversidade nos mostra que qualquer conduta ou discurso que inferiorize de alguma forma a pessoa com deficiência nada mais é do que capacitismo.

Gisele Fontes Gato - Mestre em Direitos Humanos pelo PPGD/UFPa, servidora do TJE/Pa.